Traçar o perfil dos profissionais de call centers de São Paulo. É com esse objetivo que o Instituto Cliente Feliz, startup que tem como missão aplicar soluções e metodologias para melhorar a experiência de empresas com seus clientes, lança a pesquisa inédita "Conhecendo quem te atende". Realizado em parceria com a Quorum Brasil, o estudo entrevistou mais de 300 colaboradores.

Diante dos dados levantados, a pesquisa aponta que 66% dos entrevistados mudariam de empresa por um ambiente melhor; 71% afirmam que se estudarem mais subirão de cargo na empresa e 91% deles asseguram que treinamentos são importantes para seu crescimento na carreira.

Quando abordamos os perfis demográficos, entendemos que 84% desses profissionais são do sexo feminino e são elas que compõem a renda familiar, representando 86% do total. A renda média desse profissional em São Paulo gira em torno de R$2.200,00 para 48% dos participantes.

"Esse levantamento é inédito e de suma importância para entendermos o perfil de quem está na outra ponta. Ou seja, para conseguimos traçar não apenas a ‘persona’, mas entendermos também as necessidades humanas e mais sensíveis desses colaboradores. Conseguimos, por exemplo, perceber que ao trabalhar home office (caso de 89%) na pandemia, muitos conseguiram melhorar a produtividade (38%), o relacionamento com os filhos (86%) e com seus parceiros (36%)", comenta Gisele Paula, cofundadora do ReclameAqui e fundadora do Instituto Cliente Feliz.

Outros dados interessantes são sobre como essas pessoas ocupam suas horas livres. 83% costumam realizar as atividades domésticas após o expediente e 50% assistem TV, 67% fazem churrasco com a família e outros 67% costuma ficar nas redes sociais, sendo Instagram (100%), Whatsapp (83%) e LinkedIn (67%) as três favoritas.

"O interessante a se concluir é que aquilo que antes era chamado de ‘bico para jovens’ já caiu por terra. Vemos hoje um perfil de pessoas dedicadas e que realmente desejam crescer em suas carreiras. Eles entendem a importância dos estudos e aprimoramentos para a construção de uma carreira sólida, e acreditam que conhecimento muda o futuro no emprego e na vida. Espero que por meio dessa pesquisa as pessoas se tornem mais empáticas ao entrar em contato com call centers e possam dar um alô mais alegre para quem está do outro lado", finaliza Gisele.

Pode te interessar

Empresas começam a exigir comprovante de vacina para candidatos

Por que é fundamental investir em um bom ambiente de trabalho?

Flexibilidade é o futuro da gestão híbrida