O comportamento do consumidor será fruto de estudo, sempre! Quanto mais leio sobre o assunto, mais chego a essa conclusão. Diversas pesquisas já demonstraram a preferência das novas gerações pelo atendimento digital, a não ser quando precisam resolver um problema (o telefone ainda é campeão nesse quesito).

E quem estaria por trás dessa conversa tecnológica? De acordo com uma recente pesquisa realizada pela consultoria Forrester com 500 brasileiros, são os humanos. Em comparação com os robôs, eles têm 82% (sim, oitenta e dois por cento!) da preferência. Por quê? Atendem melhor necessidades (67%) e são capazes de responder muitas perguntas simultaneamente (50%).

Como o tempo, no entanto, o número de pessoas trabalhando nessa função deve diminuir bastante. Ainda segundo o mesmo levantamento, 38% dos entrevistados mencionou já interagir, uma vez por semana, com agentes virtuais. Eles usam como base a inteligência artificial. Para 42%, é conveniente e rápido (37%).

Ainda temos muito a aprender sobre o atendimento digital. É preciso investir pesado na capacidade dos robôs de fornecerem informações diversas, se aproximando de uma conversa natural. E não devemos esquecer de realizar pesquisas de satisfação com o consumidor. É ele quem irá direcionar o sucesso do seu negócio! 

Fernando Lujan é Diretor de TI na Total IP

Outras notícias

No contact center digital a abordagem humana com o cliente é prioridade

O SAC na 4ª Revolução Industrial e a disrupção humana

Atendimento humanizado: Nada substitui a emoção humana