A tecnologia deve servir ao ser humano, e não o contrário. A frase pode soar como um clichê, mas é uma ideia extremamente necessária para aqueles que trabalham e desenvolvem tecnologia. Sem o ser humano no centro, a transformação digital simplesmente perde sua razão de existir. Afinal, toda inovação tem como objetivo atender às necessidades humanas.

Hoje em dia, um assunto muito recorrente no mundo da tecnologia é a IoT, a Internet das Coisas, que conecta dispositivos a fim de permitir ou facilitar processos. A IoT nada mais é que o uso efetivo das informações e dados disponíveis para que o potencial dos equipamentos ou máquinas seja aproveitado ao máximo.

Existe um grande equívoco, que é bem comum, em achar que uma tecnologia como a IoT tira o protagonismo do ser humano nos processos. Por exemplo, o sistema de reconhecimento facial presente em diversos aeroportos espalhados pelo mundo. Um ser humano desenvolve o algoritmo que vai definir todo o sistema. Que tipo de critérios serão utilizados para identificar quem deve ou não passar na fila da alfândega? Aparência? Com base em quê? São perguntas que trazem à tona toda uma discussão sobre a ética na tecnologia, mas que antes de tudo mostram como todo o poder ainda está nas nossas mãos.

As informações e tecnologias já estão disponíveis e podem ser ainda mais desenvolvidas. O que falta é uma predisposição das pessoas a mudar de cultura. Se o ser humano não aceitar, por exemplo, que suas informações sejam utilizadas por sistemas de IoT para oferecer novos serviços e experiências, a tecnologia não vai se desenvolver. Tudo está em nossas mãos.

E isso vale para outras tendências, como Machine Learning e Inteligência Artificial. São tecnologias que não vão substituir o ser humano, mas apenas aumentar o potencial das informações disponíveis e, com isso, tornar os processos mais eficientes. A mudança está na ordem do processo: cada vez mais o ser humano vai se ocupar de atividades em posições mais estratégicas dentro das empresas, e menos no operacional.

Isso ocorre em meio a uma grande transformação cultural no mundo hiperconectado. O consumidor moderno está menos disposto a lidar com intermediários. Para fazer um passeio pela cidade, por exemplo, um aplicativo de transporte pode mediar a sua relação com o motorista, sem grandes burocracias. Para fazer uma transferência de dinheiro, o blockchain te dá a possibilidade de realizá-la sem depender de um banco.

Trazer o ser humano para o centro do processo de transformação é essencial não só para as empresas e negócios, mas para que a tecnologia cumpra devidamente o seu papel, que é facilitar a vida das pessoas.

Leandro Laporta é diretor de Arquitetura de Soluções e Parcerias da Orange Business Services para a América Latina

Pode te interessar
Por que o RH deve assumir os desafios da implantação da transformação digital?

Falta de mão de obra freia Transformação Digital no Brasil

Machine Learning: transformando a relação com o cliente na era da digitalização