Em meio ao caos social e econômico gerado pela pandemia do coronavírus, as tecnologias que permitem o atendimento do cliente à distância foram protagonistas da retomada registrada especialmente na segunda metade de 2020. Foi nessa esteira que a startup Globalbot, que oferece solução de atendimento ao cliente baseada em inteligência artificial conhecida como chatbot, dobrou sua carteira de clientes, triplicou o ticket médio e, de quebra, fechou o ano captando R$ 2 milhões em apenas 6 dias por meio da EqSeed, maior plataforma online de equity crowdfunding do Brasil. Nada mal para um ano dificílimo para todos.

“O mercado de chatbots já vinha crescendo em ritmo acelerado, mas o isolamento social não deu alternativa ao mercado a não ser se digitalizar e promover atendimento à distância. Quando isso aconteceu, nós estávamos estruturados para atender a demanda”, explica Felipe Volpato, CEO da Globalbot. Diante à tração do mercado, a empresa, atualmente com mais de 200 clientes – entre eles Maple Bear, Kosé Brasil, Saint Gobain, OMS, Gerdau, Vedacit – decidiu que era hora de buscar um aporte para impulsionar ainda mais o negócio.

“Somos uma startup e conhecíamos o potencial da EqSeed. Avaliamos as possibilidades, sabemos que vivemos um momento onde o investidor está mais receoso, mas acreditávamos que os números do negócio estavam a nosso favor. Apesar do nosso otimismo, conquistar o aporte em apenas 6 dias foi uma excelente surpresa”, comemora.

Para o Brian Begnoche, sócio-fundador da EqSeed, a velocidade da rodada é mais uma prova da tendência crescente de captação online. "Captar offline é geralmente um processo muito demorado e repleto de frustrações. A rodada da Globalbot é mais um exemplo de como startups conseguem alavancar tecnologia e captar milhões de reais em apenas dias, totalmente online".

O economista também atribui a rapidez a outros fatores, entre eles, a necessidade dos investidores em procurar maiores retornos potenciais e o apelo claro do mercado de inteligência artificial. "Com a taxa de juros tão baixa, a oportunidade de investir em uma empresa privada que atua com chatbots - mercado com enorme futuro - foi algo bem interessante para investidores," diz o economista.

Alguns números corroboram a visão de Begnoche. Segundo a consultoria de pesquisas indiana MarketsandMarkets, o mercado global de chatbots deve crescer de US$ 2,6 bilhões, em 2019, para US$ 9,4 bilhões, em 2024, a uma taxa de avanço anual de 29,7%. Entre os principais fatores de tração, vale ressaltar o aperfeiçoamento das tecnologias de inteligência artificial (IA), que criam os assistentes virtuais; a demanda crescente de clientes por autoatendimento 24x7, com custos operacionais mais baixos, além da adesão de mais empresas usuárias, antes resistentes à novidade.

Os números da Globalbot, especificamente, também são promissores. Em 2019, a empresa somou mais de 37 milhões de mensagens enviadas e em 2020 cresceu 70% em faturamento em relação ao ano anterior.  

Acerca do futuro, o CEO da Globalbot afirma que o aporte deve viabilizar uma forte expansão durante os próximos 12 meses. “Estamos prevendo a ampliação da máquina de vendas, por meio de investimento nas áreas de Marketing e Comercial. Também vamos investir no desenvolvimento do produto, possibilitando a implementação total do modelo self-service para diversos mercados. Com isso, novos clientes conseguirão implementar a tecnologia de forma independente. Além disso, devemos ampliar a integração da plataforma com outras ferramentas, atuando cada vez mais em toda jornada do cliente, desde a pesquisa pelo produto até o pós-venda. Sem dúvida, 2021 será um ano de muito trabalho”, finaliza.

Pode te interessar

Chatbot é aliado para as vendas de Natal

Tendências de chatbots para 2021

Cresce uso de chatbots no WhatsApp