Pesquisa conduzida na plataforma de human analytics da MindMiners - em parceria com a consultoria Hype50+ e a agetech Janno - aponta que os brasileiros com mais de 60 anos mudaram os hábitos de consumo e o comportamental. Entre os entrevistados para o "Monitoramento Covid-19: 60+", 62% passaram a assistir mais tevê; 61% a cozinhar mais; 52% a ler; 46% a ficar mais tempo nas redes sociais; 41% começaram a consumir mais conteúdo online; 40% a conviver mais com familiares e amigos (mesmo a distância); 38% a utilizar mais serviço de delivery; 37% começaram a comprar mais produtos online.

De invisíveis ao centro do debate sobre a pandemia da Covid-19, os maduros brasileiros passaram a ser vistos com um olhar de cuidado, proteção e preconceito. A gravidade da doença revelou uma mudança social que estava em curso, mas que tende a se acelerar pela consciência coletiva sobre o tamanho da população com mais de 60 anos. No país, esses brasileiros formam um exército de 30 milhões de pessoas que tiveram hábitos comportamentais e de consumo alterados. Para entender o impacto do novo coronavírus, a MindMiners – em parceria com a consultoria Hype50+ e a agetech Janno – conduziram a pesquisa Monitoramento Covid-19: 60+. O levantamento foi realizado em todas as regiões do país e contou com 520 entrevistas.

“O coronavírus já foi chamado de doença de velho ou baby remover, como um removedor da geração baby boomer, nascida entre o final dos anos 1940 e meados dos anos 1960. Na forma de memes, sátiras ou piadas, o preconceito com a idade se revelou de maneira desumana. E foi além da internet. Em situações extremas, questões éticas foram colocadas em jogo ao escolher quem tratar primeiro em caso de falta de infraestrutura e recursos. Antes velado, o preconceito ganhou as conversas na mesa de jantar, ligações entre amigos, feeds em redes sociais e está presente nos discursos dos representantes políticos”, analisa Layla Vallias, cofundadora da consultoria Hype50+ e da agetech Janno. Coordenadora da pesquisa, a especialista em Economia Prateada aponta que o objetivo da pesquisa foi mapear a percepção que os maduros têm sobre a doença; as mudanças no consumo; a busca por informações; o que julgam fontes confiáveis; as preocupações; e adesão ao distanciamento social.

Segundo a coordenadora da pesquisa Monitoramento Covid-19: 60+, entre os entrevistados, 71% estão refletindo mais sobre a finitude; 89% estão tentando manter a mente ativa para diminuir o impacto emocional; 94% estão preocupados com o bem-estar da família e de amigos; quatro em cada 10 com mais de 60 anos estão com medo de morrer. “Durante a pandemia, os maduros mudaram alguns hábitos: 62% passaram a assistir mais tevê; 61% a cozinhar mais; 52% a ler; 46% a ficar mais tempo nas redes sociais; 41% começaram a consumir mais conteúdo online; 40% a conviver mais com familiares e amigos (mesmo a distância); 38% a utilizar mais serviço de delivery; 37% começaram a comprar mais produtos online. Entre os três produtos mais consumidos online: 68% mais ingredientes para cozinhar em casa; 58% começou a consumir medicamentos; 56% a consumir mais refeições. 46% dos brasileiros com mais de 60 anos estão fazendo compras de alimentos e bebidas por delivery”, detalha Danielle Almeida, head de Marketing da MindMiners.

Destaques

•    98% dos entrevistados sabe o que é a covid-19; 50% conhecem parte dos sintomas; e 84% acreditam que o vírus seja muito perigoso para o público com mais de 60 anos.
•    96% dos entrevistados estão acompanhando o aumento no número de infectados com o novo coronavírus no Brasil; 49% buscam informações mais de uma vez por dia e 43%, pelo menos, uma vez. Para 74%, o consumo de informações e notícias aumentou.
•    Sobre a pandemia no Brasil, seis a cada 10 entrevistados acreditam nas informações passadas pelas autoridades (governo); cinco em cada 10 acreditam nas informações passadas por amigos e familiares; e seis em cada 10 acreditam nas informações passadas por jornalistas. Ou seja, o nível de confiança em informações do governo e da imprensa é o mesmo.
•    Entre os canais preferidos para consumir informações, 68% afirmam ser tevê aberta; 51% sites de notícias; 48% tevê fechada; 39% redes sociais; e 24% whatsapp.
•    72% dos entrevistados acreditam que as informações passadas pela tevê aberta são confiáveis ou muito confiáveis – esse índice sobre para 77% quando o tema é tevê fechada. 71% acreditam que as informações dos sites de notícias são confiáveis ou muito confiáveis; 89% acreditam nos jornais impressos; 85% nas rádios; 32% nas redes sociais; 25% nas informações que recebem pelo WhatsAPP; e 59% nas revistas.

Preocupações
•    89% dos brasileiros com mais de 60 anos estão preocupados com uma possível contaminação pelo Covid-19; 83% com o impacto na economia do país; 81% afirmam que a preocupação é que seus amigos e familiares possam ficar doentes; 50% se preocupam em perder o emprego ou fonte de renda.
 
Isolamento
•    75% dos entrevistados concordam com o isolamento social; 98% estão seguindo as orientações da quarentena e saem somente quando necessário (ou, nem saem de casa). 24% deles, estão passando a quarentena sozinhos em casa.
 
Novos hábitos e consumo
•    71% dos entrevistados estão refletindo mais sobre a finitude; 89% estão tentando manter a mente ativa para diminuir o impacto emocional; 94% estão preocupados com o bem-estar da família e de amigos; quatro em cada 10 com mais de 60 anos estão com medo de morrer.
•    Durante a pandemia, os maduros mudaram alguns hábitos: 62% passaram a assistir mais tevê; 61% a cozinhar mais; 52% a ler; 46% a ficar mais tempo nas redes sociais; 41% começaram a consumir mais conteúdo online; 40% a conviver mais com familiares e amigos (mesmo a distância); 38% a utilizar mais serviço de delivery; 37% começaram a comprar mais produtos online.
•    Entre os três produtos mais consumidos online: 68% mais ingredientes para cozinhar em casa; 58% começou a consumir medicamentos; 56% a consumir mais refeições. 46% dos brasileiros com mais de 60 anos estão fazendo compras de alimentos e bebidas por delivery.

Pode te interessar

Pesquisa mostra mudanças no comportamento de consumo

Estudo da Cognizant decifra comportamento da geração Z

Comportamento do consumidor muda diante da pandemia