Quando foi lançado, em 1989, o filme “De volta para o futuro 2” mostrava que em 2015 os computadores estariam em todos os lugares e poderiam ser comandados por voz. As videochamadas e as TVs de tela plana também estavam por lá. Já o app Siri, da Apple, teve sua versão em "2001: Uma Odisseia no Espaço": o HAL 9000, computador que interagia com as pessoas.

Mas as previsões não acontecem apenas nos filmes, não é mesmo? Bill Gates antecipou, há mais de 18 anos, que os conteúdos na internet seriam produzidos pelos próprios usuários - quem pensaria em Medium ou YouTube em 1999? - e que a contratação de funcionários poderia ser realizada por meio da rede - LinkedIn também levaria alguns anos para surgir. Além de antever os dispositivos móveis e a internet das coisas. E já que estamos falando de futurólogos, que tal lembrar de Steve Jobs, que há mais de 20 anos adiantou as compras on-line, o armazenamento de dados na nuvem e que as pessoas poderiam acessar a internet de qualquer lugar.

Mas será que conseguimos antecipar o que está por vir? As previsões já estão por aí.

O futurólogo e diretor do Google, Ray Kurzweil, afirma que em breve haverá uma rede única de internet sem fio disponível para todos em qualquer lugar do mundo. Ele também assegura que na década de 2030 o homem e a máquina irão se misturar, o cérebro será conectado à internet e pensaremos em nuvem. E que por volta de 2045 as máquinas se tornarão mais inteligentes que os seres humanos. É melhor ficarmos atentos, pois Kurzweil acertou mais de 80% em suas previsões para o ano de 2009.

Também vale prestar atenção no que diz o professor e escritor Vivek Wadhwa. Segundo ele, muitos postos de trabalho serão ocupados por máquinas, aumentando as taxas de desemprego, mesmo com novas funções surgindo - já estamos vendo isso acontecer. Porém, isso não será um problema, pois a medida que as tecnologias forem avançando, o custo de vida diminuirá muito. O professor ainda prevê que conseguiremos nos auto diagnosticar e tratar questões de saúde usando apenas um smartphone e poderemos criar nossos próprios utensílios domésticos em casa, com uma impressora 3D. O consumo excessivo será uma dificuldade - ou já é - excesso de alimentos industrializados e de informação.

E vale acessar o portal Earth 2050,  criado pela Kaspersky Lab, que tem previsões de como estará o mundo nos anos 2030, 2040 e 2050, basta escolher o país para saber o que está por vir. Falando de Brasil, segundo o programa, em 2030, haverá uma legislação para a herança de memórias digitais; ao comprar um carro, os clientes poderão fazer alterações na lataria que será impresso pelo fabricante em uma impressora 3D; e as marmitas só poderão ser tiradas das geladeiras do trabalho com identificação biométrica. Já em 2040, a Amazônia será reflorestada por cientistas e organizações ambientais trabalhando em conjunto e os livros e jornais impressos deixaram de existir. E em 2050, o sexo deixará de ser necessário para a reprodução humana, todos os bebês nasceram saudáveis e os professores e escolas deixarão de existir.

Nos resta aguardar os próximos anos para confirmar se estas previsões se realizarão ou não. Vale ficar atento e trabalhar para que todas as mudanças que estão por vir sejam para tornar as pessoas e a sociedade melhores.

Wellington Alves é Head de Automação da Indigosoft

Leia mais

Qual será o futuro da experiência do cliente latino?

Não tenha medo do futuro!

A nuvem em 2027: minha visão do futuro